Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Memórias

por Helder Robalo, em 21.04.07
Resolvi colocar aqui um texto que tinha escrito num outro espaço. Mas tendo em conta que é sobre a nossa aldeia, não posso deixar de vos dar a conhecer estas memórias. Espero que gostem!

"Deliciado. É assim que melhor me posso descrever ao
ler este texto da once in a while. Por momentos regressei à infância, à ansiedade crescente enquanto se contavam no calendário os dias que faltavam para a grande viagem.
A excitação no reconhecimento do caminho, aqueles rochedos a mais de cem quilómetros do destino mas que pareciam tão iguaizinhos aos de lá que levavam ao inevitável "já 'tamos a chegar mãe", logo seguido da desilusão provocada pelo "ainda falta um bocadinho filho".
Os amigos que se viam duas ou três vezes por ano, os avós que haviam regressado de França, a certeza de que, naquele armário, abrindo a última porta da direita, estava lá o saco dos rebuçados, a pilha de chocolates, os pacotes de bolachas e o maternal ralhete do costume: "já comeste muitos doces", protegido pelo sorriso delicioso da avó, acompanhado do habitual "deixa lá o gaiato".
As idas para a casa em frente, em obras mas com o dono fora, à descoberta dos espaços por construir, brincando aos espiões a rastejar por baixo da protecção de arame... Os vizinhos do lado, que só víamos uma vez por ano, no mês de Agosto. A festa... a festa da aldeia, as corridas pelo campo da bola, os sumos que sabíamos que o pai pagava e se não pagasse pagava o tio ou o avô... Ou então havia aqueles duzentos escudos que a outra avó dera "para beberes um sumo lá na festa". E esse era meu: "Foi a avó que deu e ela disse que era pra comprar um sumo". Mai'nada!
Os almoços e jantares de mesa cheia, com os primos e os tios, todos a falar, uma confusão monumental, as gargalhadas, a casa cheia de vida, a televisão com um tipo qualquer a falar em espanhol porque em casa não havia televisão espanhola e era engraçado ouvir o homem a falar outra língua, os cafés cheios de gente, os carros a atravancar as ruas (quase parecia que se estava em Lisboa) e a sesta obrigatória "senão logo não vais à festa". E ao fim de cinco minutos a fingir que se estava a dormir, acaba-se mesmo por adormecer... E à noite a festança, a corrida para a quermesse para compras as rifas e levar uma carrada de cacada pra casa que a mãe insistia em dizer que não tinha onde guardar. "Toma lá mais cem escudos". E o sorriso traquino...
Os passeios em cima do burro do avô, que, ao lado, insistia em dizer ao meu pai "deixa lá ir o cachopo, que eu posso bem ir a pé". As idas ao "chão", ajudar a regar, querer à força pegar na enxada pra ajudar a avó a semear os feijões ou a mudar o rego da água para regar os tomates, as vagens e as melancias. "Logo levas esta pra comeres ao jantar, que já deve 'tar docinha".... "Ó pai, ó pai, a avó disse que logo posso levar uma melancia".
As velhotas da aldeia que rapidamente procurava visitar, nem que fosse preciso correr a aldeia toda. Até porque havia grandes probabilidades de encontrar o Tiago da Ti Cao ou o João da Ti Palina. E, se assim fosse, havia jogo da bola garantido no largo do Sant'António até ao fim do dia, esquecendo quase a hora do jantar. "Se eles já estão a jantar estou lixado". Corre, corre, corre. Transpirado, cansado até mais não, o coração quase a sair pela boca e a alegria de ver que não, que chegara à justinha. "Andas na bola o dia todo nem te lembras de comer"... Lembrar lembrava, mas a malta aguentava a fome que a bola 'tava a rolar e era preciso ganhar o jogo.
E continuar mais um dia e outro assim, sempre na alegria de aproveitar a porta aberta e sair sem quase dar satisfação a ninguém. Até ao fim das férias e ao dia em que era preciso começar a fazer malas para voltar à cidade. Mas sempre na esperança de ser o último a ir embora, mesmo que se corresse o risco de ficar sozinho e apanhar uma seca monumental porque já não estava ninguém, já tinham ido todos embora."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:04


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 21.04.2007 às 22:37

Olá Helder, gostamos muito de ler o teu blog mas não sabemos quem és. Ora põe lá uma foto tua prá gente ver quem és!
Sem imagem de perfil

De H.R. a 22.04.2007 às 00:23

Eh eh eh Não me parece bem um anónimo pedir-me para me identificar.
De qualquer modo, importante aqui não sou eu, mas a nossa aldeia e tudo aquilo que ela tem para oferecer.
Quanto à foto, prometo pensar nisso.
Um abraço.
Sem imagem de perfil

De Rui Reis a 02.06.2007 às 16:26

Antes de mais tiro o chapéu e faço vénias até me doerem as costas! Ao contrário do "anónimo", conheço este senhor desde a nossa tenra idade (gaiatos mesmo) e só tenho boas recordações de todos os momentos passados na nossa Aldeia, fosse no Natal, Páscoa ou no Verão. Helder, muitos parabéns pelo trabalho excelente que tens desenvolvido em torno das mais variadas temáticas que digam respeito à nossa terra (e não só!) A minha estreia literária no teu blog segue agora como "comment", mas prometo em breve contribuir com assuntos interessantes e algumas fotos do melhor cantinho do Mundo: Aldeia de Santa Margarida. Acredito que um dia pessoas como tu consigam por esta aldeia fantástica no mapa!

Grande abraço deste amigo de sempre

Rui Reis

Comentar post



Mais sobre mim


Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida

http://www.jf-aldeiastamargarida.pt/

Hino de Aldeia de Santa Margarida


Calendário

Abril 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Números Úteis

Junta de Freguesia
277 313 545

Centro de Saúde
277 313 293

Paróquia
277 937 200

Liga dos Amigos de ASM
277 107 416
931 117 116 (João Camejo)

Centro de Dia de ASM
277 313 122

Associação de Caçadores de ASM
964 555 898 (José Francisco Prudente)

Grupo de Cantares de ASM
965 464 190 (Zélia Curto)
277 313 545 (Tlf. da Junta de Freguesia)

Os Tapori a Bombar - Grupo de Bombos de ASM
919 820 154 (Samuel Pereira)
964 148 017 (Ricardo Barroso)
ostaporiabombar@gmail.com

Pirotécnica Beirense
277 313 478
962 935 544

GNR de Idanha-a-Nova
277 202 128

Bombeiros de Idanha-a-Nova
277 202 456



Ver Estatísticas