Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Crónica breve (II) - Por Francisco Caetano

por Helder Robalo, em 03.02.09
CRÓNICA BREVE (II)

A paga do vinho

Contrariamente ao que possa pensar-se, namorar com forasteiro, antigamente, não dependia apenas da vontade da noiva, do pai ou da mãe. Dependia também do pagamento de uma espécie de tributo.

De quem?

- Do candidato a noivo, aos rapazes da terra.

Tributo esse não em dinheiro, mas em vinho, tinto.

Um garrafão, ou mais, dependia do perfil do intruso. Se pouco ou muito abonado, assim era provar ou fartar.

E a lógica era esta. As raparigas estavam destinadas aos rapazes da terra. Se algum de fora fosse roubar qualquer uma, teria de pagar pela ousadia.

Mal corresse suspeita, no balcão do Ti Zé Morais, de rabisco novo de rapaz de fora e se não tomasse ele próprio a iniciativa de se apresentar, devidamente sortido, prazo curto tinha ele para a intimação. Que não passasse do próximo sábado ou domingo! Não fosse deixar, entretanto, a rapariga e a rapaziada a penar de algum aguamento, mas do vinho.

E a recusa era legitimamente entendida (assim o dizia a prática) como sinal de que apenas queria era gozar a rapariga e isso era crime grave punível com saraivada de pedra vinda não se sabendo de onde.

Era assim na nossa Terra, como nas próximas. Mata, Martianas, Pedrógão, Bemposta, Proença, S. Miguel…

Lembram-se os mais velhos (que não lêem isto e por isso podemos falar à vontade) que um período houve em que não havia mãos a medir. Aquando do alcatroamento da estrada (a mesma que passava no, como se dizia, "arramal") veio uma chusma de rapaziada de fora, sobretudo do Alentejo trabalhar para as obras, que não deixou nova e velha, feia e bonita, por casar. Então o vinho era à farta!

Porque o néctar escorregava mal sem companhia, lá vinha também o conduto. Um queijo (quase sempre corno, assim se chamava, duro que era), uma morcela a dar já para o azeite da lamparina da Igreja e pão, muito pão.

Falava-se até que em certas terras, a par do vinho, até negar, o pão, empinado, deveria ter a altura do intruso noivo.

Safava-os que a rapaziada, antigamente, não tinha a altura de hoje.

Era comer e beber até chegar com o dedo. Cantavam uns, chamavam o gregório outros…Com rapariga a menos, mas todos se divertiam, menos a noiva, claro está, que via a vida a andar para trás.

E, cumprida a obrigação, e já munido com a carta de alforria, já o bom forasteiro podia namorar à vontade.

À vontade, como quem diz. Nem todos os dias (e horas) eram dias de namoro e só já em fase avançada podia o rapaz entrar em casa dos pais da noiva.

Habilidade deveria ter, também, para dar um pontapé no candeeiro sem que ninguém desse por ela…

Abraço

Fev. 09

F C

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:39


1 comentário

Sem imagem de perfil

De David Martins a 03.02.2009 às 22:43

Gostei muito!!!

É bom saber como eram as coisas antigamente.

O tinto é que era sempre bem despachado :D....


Abraço

Comentar post



Mais sobre mim


Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida

http://www.jf-aldeiastamargarida.pt/

Hino de Aldeia de Santa Margarida


Calendário

Fevereiro 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Números Úteis

Junta de Freguesia
277 313 545

Centro de Saúde
277 313 293

Paróquia
277 937 200

Liga dos Amigos de ASM
277 107 416
931 117 116 (João Camejo)

Centro de Dia de ASM
277 313 122

Associação de Caçadores de ASM
964 555 898 (José Francisco Prudente)

Grupo de Cantares de ASM
965 464 190 (Zélia Curto)
277 313 545 (Tlf. da Junta de Freguesia)

Os Tapori a Bombar - Grupo de Bombos de ASM
919 820 154 (Samuel Pereira)
964 148 017 (Ricardo Barroso)
ostaporiabombar@gmail.com

Pirotécnica Beirense
277 313 478
962 935 544

GNR de Idanha-a-Nova
277 202 128

Bombeiros de Idanha-a-Nova
277 202 456



Ver Estatísticas