Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


4.º BTT Trilhos do Peixoto - Fotos 01

por Helder Robalo, em 24.04.17

Realizou-se ontem, dia 23 de Abril, o 4.º passeio de BTT Trilhos do Peixoto, em memória e homenagem ao nosso querido Luís Peixoto, falecido à quase quatro anos. Um gesto lindo em memória de alguém que muito deu pela nossa freguesia e que era querido de todos na nossa Aldeia de Santa Margarida.

 

Por intermédio do nosso conterrâneo José Robalo, publicamos aqui algumas das imagens já disponíveis.

 

17991946_1327691760612552_247637019251568431_n.jpg

18034271_1327691510612577_8649633563760052160_n.jp

18056932_1327691853945876_318372433466011533_n.jpg

18056988_1327691290612599_5464035263690863171_n.jp

18057221_1327691440612584_6085949095331137300_n.jp

18058165_1327691083945953_5220612506004528356_n.jp

18119076_1327691213945940_7482405280640200166_n.jp

18119329_1327691180612610_3927571934197267291_n.jp

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:48

Memórias da Juventude

por Helder Robalo, em 09.01.14

O meu tio Eduardo Miguel publicou hoje, na página do nosso Grupo de Amigos de Aldeia de Santa Margarida, uma fotografia de uma antiga equipa de futebol da nossa aldeia. Pela beleza e memória da mesma, não posso deixar de a publicar aqui também. Com a devida "constituição" da equipa, claro está :)

 

 

Constituição da equipa: (em cima, da dta para a esq.) Tó Costa, Zé Cotovio, Pélé, Luís da Granja, António Cambra, Tó Barroso; (em baixo, da dta. para a esq.) Chalana, Tó Miguel, Tó Manuel, Vítor Carvalho, Rui, Zé Barroso; (deitado): Zé Manel.

 

Espero que gostem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

Tantas saudades tuas...

por Helder Robalo, em 07.06.13

Em sua casa havia sempre, mas sempre, um saco de rebuçados, umas tabletes de chocolate ou uns pacotes de amêndoas. É daquelas recordações, de infância, que me vêem logo à memória. Aquele "cheirinho" a França, misturado com o calor abafado dos meses de Agosto na Beira Baixa.

 

Em sua casa havia sempre, também, um sorriso lindo, uns braços abertos e um regaço acolhedor. Havia sempre pão na mesa, chouriço e queijo para acompanhar. A mesa estava cheia de gente? Havia sempre lugar para mais um se chegasse fora de horas.

 

Em sua casa também se ouvia um "deixa lá o rapaz", quando ameaçava já no ar uma palmada após uma qualquer travessura. Havia um "não aborreças a menina" quando eu implicava com a minha irmã, então a princesinha da família.

 

Aldeia era sinónimo de férias com os avós, mesmo que só muito tarde tivesse coragem de ir "mais cedo" para a Aldeia. Mais cedo como quem diz sem os pais.


Aldeia era sinónimo de correr de manhã à noite, atrás da bola, dos amigos, das corridas pelas ruas, das jogatanas no campo da bola, das patifarias feitas às escondidas, da certeza de um regresso a casa com a comida a fumegar na mesa à hora do almoço e do jantar.

 

Aldeia era sinónimo de passeio no tractor do avô com ela ao meu lado, de ida ao "chão" para tratar dos campos, regar, semear, apanhar laranjas, tomate, melancias.


Aldeia era sinónimo de me sentar nas pedras e poder ouvir o som dos pássaros misturado, por vezes, com o seu cantar. Ou de, à noite, sentado à porta de casa, ouvir todo um desfiar de memórias de tempos difíceis, mas aparentemente sempre tão divertidos. Das histórias dos filhos, dos vizinhos em França, das peripécias nas viagens, das história de vida carregadas de tanta sabedoria.

 

Recordo-me daquele ano em que, já de regresso à aldeia, foi preciso o avô ir à França e eu fui, durante uma semana o "homem" da casa, aquele que ia ajudá-la na rega do campo, no dia a dia, lhe fazia companhia.

 

Recordo-me da sua pronúncia beirã carregada, do seu cheiro bom, o suave das suas mãos calejadas pela vida. Recordo-me do seu "cã negro", disparado quando me portava mal, mesmo que esse zangar mais não fosse do que uma chamada de atenção. Do quão bom era passar um mês inteiro sob a sua protecção suprema, a coberto de (quase) todos os castigos pelas asneiras feitas. E das filhoses no Natal, dos bolos de leite, do arroz doce.

 

E recordo-me..... do choque sofrido há 17 anos, neste preciso dia. Da surpresa, seguida de rápida compreensão, de uma chegada a casa depois da escola e de ver à porta de minha casa gente que não era suposto lá estar, olhos marejados, vermelhos de dor.

 

Recordo-me da incompreensão de ver partir alguém cedo de mais, com tanto ainda por viver, tanto ainda por cantar na Senhora da Granja, nas missas da aldeia.

 

Recordo tudo isto e hoje, logo pela manhã, senti uma saudade imensa de te ouvir cantar. De te poder ainda ter cá para poderes ver crescer a minha filha. De poderes ainda estar cá para poderes conversar com a tua filha.

 

Onde estiveres, sei que estás a olhar pelos teus. A providenciar pelos teus.

 

Um beijo grande avó Rosa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:04

Imagens do Passado II

por Helder Robalo, em 28.03.12

Amigo Helder Robalo

 

Dando volta a algumas fotografias, ainda em papel, encontrei estas quatro, tiradas numa festa da Senhora da Granja em 5 de Abril de 1999. Suponho que devem das primeiras, ou quase, adufeiras da Aldeia. Como não conheço as pessoas… Talvez seja um bom elemento para o vosso arquivo.

 

Abraço amigo

 

P. João Caria

 

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:13

Imagens do Passado

por Helder Robalo, em 08.03.12

Pela mão do nosso amigo José Alves chegam-nos estas imagens da nossa Aldeia de Santa Margarida. Da sua casa, da sua família, da nossa aldeia. Imagens com meio século, sensivelmente.

 

Esperamos que gostem.

 

 

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:48

Senhora do Almortão

por Helder Robalo, em 30.01.11

Trazido do canal da memoriamedia no YouTube, deixo-vos aqui esta música linda:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:00

"Ah cã negro"

por Helder Robalo, em 13.04.10

"Ah cã negro".

Era sempre assim que, invariavelmente, a "Ti Palina" reagia quando nos metíamos com ela ou quando fazíamos alguma asneira. Lá nos ia aturando com os seus já muitos anos na altura, éramos nós ainda rapazolas em plena adolescência, ávidos de bola, de corridas ao ar livre, de asneiras. O campo de futebol era o largo da capela de Santo António e a baliza a parede do palheiro. Eu, o Tiago e o João, o neto dela.

Sentada à porta de casa, na conversa com a Ti Cao (para quem não sabe é a Ti Maria do Carmo, avó do Tiago), lá ia deitando o olho às asneiras que íamos fazendo. A bola para o telhado, para o quintal ou contra a parede da capela. E lá vinha o grito de aviso que quem, parecendo que não, está sempre com um olho em nós: "Oh canalha do diabo que não tendes juízo". Tínhamos. Pouco, mas tínhamos.


Recordo a partida que uma vez lhe preguei, depois de uma aposta com ela: disse-lhe que, só para a chatear, ia furar uma orelha e passar a usar brinco. Na vez seguinte que fui a Aldeia de Santa Margarida levei no bolso um daqueles brincos de íman, pequeninos. Andou sempre comigo no bolso até a encontrar à porta de casa. Brinco rapidamente posto à socapa na orelha fui-me sentar ao lado, começando a elogiar os seus brincos de ouro. Ia levando na cara quando ela viu o brinco azul, minúsculo, a reluzir na orelha. "Ah cã negro, atão tu furaste a orelha", disparou imediatamente, já com a mão no ar a caminho do lombo... Gargalhada geral de quem estava avisado e de quem logo percebeu a brincadeira. Gargalhada dela quando percebeu também a brincadeira, sem a levar a mal...

 

Nos últimos anos pouco a via, desde que, por causa da idade e da doença, foi morar para casa dos filhos, em Castelo Branco. Fui visitá-la no último Verão. Quase não se lembrava de mim. Mas não me deixou ir embora sem um abraço e um sorriso quando me reconheceu, quando percebeu quem estava ali em frente a ela. Custou-me vê-la. Mas, ao mesmo tempo, a força dos mais de 90 anos, de uma vida que terá sido, com toda a certeza, muito dura, também não perdoou.

 

Soube ontem à noite que a Ti Palina nos deixou no passado fim-de-semana. Invadiu-me uma tristeza imensa. Na Páscoa estive para a ir visitar e acabei por adiar. "Fica para a próxima", pensei. Não fica. Fica apenas a lembrança dela sentada à porta de casa ou no banco de jardim junto à Capela de Santo António, à sombra, na conversa com as amigas.

 

Os meus sentimentos à família. E um abraço, grande, ao neto João, se ler estas linhas. Fica uma singela homenagem à tua avó, de quem muito gostava. Paz à sua alma.

 

Fica também a lembrança dos meses de Agosto a jogar à bola no largo da capela.

 

"Ah cã negro..."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:30

Profissões antigas - Por Padre João Caria

por Helder Robalo, em 13.02.09
Sr. Hélder Robalo

Os melhores cumprimentos. Estive algum tempo sem visitar o vosso blogue, mas devido a uma gripe e ao recobro um pouco prolongado tive vagar para efectuar várias visitas. Continuo a dar-vos os Parabéns pela variedade de assuntos e notícias actuais e curiosas dessa terra. Sempre no momento próprio. Gosto muito das crónicas do Senhor Francisco Caetano, numa linguagem clara e de muito humor. É verdade que por vezes nem tudo apreendo, pois, nunca vivi na Aldeia e o tempo que lá passava era o da escola. Quanto às pessoas, algumas recordo, mas outras…

Falando de pessoas, talvez uma ideia que certamente vós já pensastes muito, mas será bom aproveitar as pessoas que ainda recordam certas figuras típicas da Aldeia e os seus ofícios: a saga dos fogueteiros que ainda perdura, e lembro-me de levar os cadernos da escola para as bombas. A qual deles, não sei. Vivia nas casas em frente da de meu Pai.

O Caldeireiro cujo nome não recordo. O Ti Joaquim Tavares, o endireita, que punha todos os ossinhos no lugar, de pessoas ou animais e me endireitou a perna direita. O Ti Virgílio, alfaiate. A Forneira e tanta outra gente que merece uma recordação de todos nós.

Peço desculpa de meter a foice em seara alheia, pois, como sabe não nasci nem vivi na Aldeia, mas é a minha terra de opção.

Mais uma vez os meus Parabéns!

Abraço amigo

P. João Caria

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:14

Crónica breve (III) - Por Francisco Caetano

por Helder Robalo, em 07.02.09
CRÓNICA BREVE (III)
Festa do Verão


Festas, de arromba, maiores que as de Aldeia, talvez, num ou noutro ano, só as da Orca. Também nas Martianas, uma vez por outra, era larga a festança.

Hoje, a par da procissão, podemos dizer que o momento principal e móbil ajuntador das famílias e amigos é o frango assado no recinto das festas, umas gasosas e umas grades de minis, um ou outro conjunto, de nome mudado para banda. Já não há emigrantes para mostrar as máquinas e poucas são já as moçoilas para se fazerem inveja com as roupas novas.

Antes, o que dominava era a procissão e o leilão das merendas à tardinha e pela noite dentro.

Os andores iam, então, cobertos de notas de 20, 50, 100 e até 500 escudos, ainda ditos de réis, pregados nos santos com aranhóis (alfinetes), logo seguidos de perto pelo senhor prior que, a coberto do pálio, ia rezando pelas almas e para que a brisa se mantivesse calma e os alfinetes cumprissem o seu papel.

Quem espetasse a maior cédula ganhava direito não só a que a proeza fosse comentada nos próximos dias, no povo, mas também a alombar com o santo.

O que não era fácil, sendo embora 4 os pegadores, à passagem pelo Regedor já um ou outro desasava, fazia a parte que pegava, sobrando o peso para quem tivesse menos ronha ou, vá lá, maior fé, que era o que valia a tanto sufoco dos agostos de antanho.

O dinheiro era de promessas, feitas durante o ano, fosse ao Mártir S. Sebastião, fosse à padroeira Santa Margarida, de forma a intercederem pela saúde de quem as fazia ou de familiares ou mesmo de animais, quase sempre um jumento, pelo valor que tinha, como meio de transporte, como pela falta que fazia na arada das terras.

Ainda que a Santa Margarida seja a padroeira, o Divino Mártir, costumava levar a melhor fosse por inspirar maior confiança, fosse porque a prédica do senhor padre empolgasse ao extremo os seus dotes de valentia. E o impacto das suas façanhas sobre as pessoas era tanto maior quanto feito do alto do púlpito (esse altar lateral da igreja, que os mais novos nunca viram usar) com os gestos largos do inflamado sacerdote a roçar a cabeça das pessoas. O outro nosso António Vieira não passaria, aqui, de um aprendiz.

De tal forma que, de uma vez, conta-se, com tanta paixão descreveu a luta do santo contra o diabo e do diabo contra o santo, que fez isto, que fez aquilo, que o satanás, às tantas, pegou numa seta, apontou-lha ao coração e…pausa feita, respiração suspensa, corações parados, silêncio de chumbo, mulherio já a morder os lenços e o povo todo à espera do desenlace final…quando rebentou do coro: “essa é que o lixou!”.

Bom, ficou o santo padre desarmado, respiração e corações de volta, acabaria aí a missa, entre o choro de uns e a galhofa de outros tantos.

O outro momento importante era, pois, a arrematação das merendas.

Imagine-se o que era. Cestos e tabuleiros cheios de carnes, fritas e assadas, galos, coelhos, pernas de cabrito ou de borrego, com fino toque a bedum, arroz de hortelã para acompanhar e desenjoar, um pão leve (pão de ló) com uma garrafinha de vinho do Porto no buraco, bolo devidamente decorado com amêndoas espetadas, sobrantes ainda da Senhora da Granja ou da Senhora da Póvoa e doces (biscoitos), muitos, à volta. Um garrafão de vinho, claro! Quase sempre carrascão, mais para o escuro.

Quermesse à pinha, era aguardar que o roufenho funil da afamada aparelhagem Silva Tinalhas desse início à disputa, começando por anunciar o dono da oferta. Lenço no microfone, aí estava. Oferta de fulano de tal, preço inicial de tanto. A base de licitação era dada pelo dono. A partir daí era ver quem dava mais. Pica de um lado, pica do outro, volta a picar e repicar. Os da Christie's muito aqui tinham a aprender. 399 uma, 399 duas, 399, três... arrematado. Por vezes nunca os centavos valiam tanto. 199 e 10, o outro 199 e 20, outro ainda 199 e 30, uma, duas, e 40, agora ainda de um outro, uma, duas, duas e meia, duas e três quartos…

Era assim, dos oitavos não temos memória. Só dos de Vimeiro, no dia a seguir, após o acordeonista ter guardado o fole, ter-se posto fogo à peça e rebentado o castelo.

Era giro!..

Abraço

Fev. 09
FC

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:28

É bom recordar - Por Paulo Afonso Marques

por Helder Robalo, em 05.02.09

É BOM RECORDAR

Em primeiro lugar quero felicitá-los pelo excelente trabalho que estão a desenvolver e ao mesmo tempo agradecer toda a informação que nos vão dando da nossa terra.

É bom recordar os nomes dos locais e sítios, que já não lembrava, nomes de pessoas que não esqueci, mas algumas já não recordo o rosto; tento reconhecer nas fotos e nos vídeos, que devoro assim que aparecem.

Ainda foi à pouco tempo que tomei conhecimento deste espaço, mas agora é raro o dia que não faço uma visita.

Sou dos que saiu da Aldeia muito novo, tinha 11 anos, completei a primária e vim para Lisboa com toda a família e por cá fiquei.

Gostei de ter notícias do Luís Curto Dias, pensava que já tinha esquecido a nossa terra, ainda tinha menos idade quando deixou Aldeia. Toda a rapaziada do nosso ano "1948", uns mais cedo outros mais tarde procuraram outras terras para fazer as suas vidas e nesse tempo ainda nascia muita gente em Aldeia. Já não consigo recordar quantos rapazes e quantas raparigas nasceram no nosso ano, vou só lembrar mais alguns nomes:

O meu primo João Afonso, Luis "da tiAnaFraqueira", José Caria, Domingos Fraqueiro, Raúl Moita, Joaquim Camejo "da tiMariCameja" e Francisco Fernandes, neste momento não me ocorre mais nenhum nome, mas somos muitos mais, peço desculpa aos que não mencionei.

É bom recordar coisas da nossa infância, recordo as marteladas no ferro da forja do "tiCésar", que ficava perto da casa do meu avô (junto à casa grande) o som ouvia-se por toda a Aldeia. Recordo ao fim da tarde a chegada da camioneta da carreira, ainda guardo na minha memória o barulho que se ouvia na Aldeia quando a camioneta estava a subir a estrada até ao cemitério, largava-mos as nossas brincadeiras e lá íamos nós a correr rua abaixo mas ainda chegávamos primeiro. Assistíamos à manobra da inversão de marcha, víamos quem chegava e quem partia e ao recomeçar a sua marcha corria-mos atrás dela até que as nossas pernas o permitissem. Também recordo nas noites frias de inverno depois da Ceia, juntavam-se na nossa taberna meia dúzia de fregueses uns bebiam uns copos, outros jogavam às cartas ao Sete e Meio a rebuçados; era engraçado os rebuçados andavam de bolso em bolso de dia para dia, alguns já andavam com os papéis todos melados de andarem no bolso da jaqueta, à espera do serão seguinte.

Sobre a sugestão do António Camejo, também quero dar o meu contributo, concordo plenamente que D. Isabel Curto professora durante muitos anos na nossa terra merece um reconhecimento. Estava sempre disponível quando a procuravam para pedir uma informação, uma opinião ou um conselho e naqueles tempos não havia muitas pessoas na nossa Aldeia a quem recorrer. Também levei algumas réguadas, até o próprio filho o Manuel que fez a primária connosco era tratado da mesma forma, naquela época quase todos os professores recorriam a estes métodos, mas temos que reconhecer que foi uma excelente professora. Também a visitei aqui em Lisboa quando estava doente e falava com muito carinho das pessoas da Aldeia, que conhecia pelos próprios nomes.

Parabéns também para Os Tapori a Bombar, fui à BTL na FIL e gostei, muita gente jovem com garra para ir para ir em frente com este projecto.

UM ABRAÇO

Paulo Afonso Marques

Nascido em 18 de Junho de 1948 em Aldeia de Santa Margarida

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:35


Mais sobre mim


Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida

http://www.jf-aldeiastamargarida.pt/

Hino de Aldeia de Santa Margarida


Calendário

Agosto 2017

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Números Úteis

Junta de Freguesia
277 313 545

Centro de Saúde
277 313 293

Paróquia
277 937 200

Liga dos Amigos de ASM
277 107 416
931 117 116 (João Camejo)

Centro de Dia de ASM
277 313 122

Associação de Caçadores de ASM
964 555 898 (José Francisco Prudente)

Grupo de Cantares de ASM
965 464 190 (Zélia Curto)
277 313 545 (Tlf. da Junta de Freguesia)

Os Tapori a Bombar - Grupo de Bombos de ASM
919 820 154 (Samuel Pereira)
964 148 017 (Ricardo Barroso)
ostaporiabombar@gmail.com

Pirotécnica Beirense
277 313 478
962 935 544

GNR de Idanha-a-Nova
277 202 128

Bombeiros de Idanha-a-Nova
277 202 456



Ver Estatísticas