Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Vocabulário tradicional - XXXVI

por Helder Robalo, em 26.10.11

Na região da Beira Baixa, e de Aldeia de Santa Margarida em particular, é usual, já dizia A. Alfredo Alves na Revista Lusitana - que se encontra depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida" - no início do século XX, chamar-se pexêgos aos pêssegos, sobretudo se eles forem secos.

Na mesma obra, se falava já no pichorro e no picheiro. O primeiro mais não é do que um vaso de barro para vinho. O segundo é um vaso de barro, grande, que servia sobretudo para guardar as águas da lavagem dos utensílios da queijaria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:51

Vocabulário tradicional - XXXV

por Helder Robalo, em 27.05.11

Atendendo à recolha feita por A. Alfredo Alves, na Revista Lusitana - que se encontra depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida" -, no início do séculos XX era usual na região de Aldeia de Santa Margarida beber-se a água por uma córna enquanto se comia a refeição a partir de um cóicho. A córna era um copo feito a partir de chifre de boi, também usado no Alentejo. Já o cóicho era uma espécie de prato feito a partir de cortiça. Para comer existia igualmente uma cochárra, uma colher feita de chifre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:27

Vocabulário tradicional - XXXIV

por Helder Robalo, em 28.02.11

Socorrendo-nos uma vez mais das notas de A. Alfredo Alves, na Revista Lusitana que se encontra depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida", era usual na região da Beira Baixa, e mais concretamente em Aldeia de Santa Margarida, por finais do século XIX e inícios do séculos XX, usar-se o termo anagoa para se referir a uma "saia de paninho branco". Este linguísta e investigador ilustra esta expressão com um pequeno verso de uma cantiga popular:

"Tomei amores c'um padre,

Nunca melhor coisa fiz;

Logo me fez uma anagoa

Da sua sobrepeliz."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:59

Vocabulário tradicional - XXXIII

por Helder Robalo, em 19.11.10

De acordo com os relatos de A. Alfredo Alves, na Revista Lusitana, que se encontra depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida", por finais do século XIX e inícios do séculos XX, era usual na região da Beira Baixa, e mais concretamente em Aldeia de Santa Margarida, chamar-se malhada ao espaço onde está o bardo e a choça do pastor. Refere igualmente A. Alfredo Alves que "há também malhada de porcos, que em logar de bardo tem abrigos cobertos de colmo, que se chamam furdões".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:28

Vocabulário tradicional - XXXII

por Helder Robalo, em 29.10.10

Recorda-nos A. Alfredo Alves, na Revista Lusitana, depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida", que, por alturas de 1890-1892 (altura em que foi publicado o Volume II da Revista Lusitana), que era usual na nossa aldeia chamar de alimél o animal.

E que em dias de festa havia bálho, ou baile como hoje se diz. Para ir aos bálhos, e porque na época o carro ainda era só um sonho na mente de alguns, havia que se servisse do burréco, uma forma mais "carinhosa" de falar dos burros.

 

Mas pronto, como o São Martinho está aí quase à porta, e há vinho novo para provar, aqui para o escritor destas linhas pode vir meia-lata. Ou meio quartilho, para quem não sabe o que isso é...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:46

Vocabulário tradicional - XXXI

por Helder Robalo, em 27.08.10

De acordo com a Revista Lusitana, depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida", na nossa aldeia, assim como em toda a região da Beira Baixa, era habitual, em tempos mais antigos, usar-se a expressão iscambalhar quando as pessoas se queriam referir a estragar ou destruir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:00

Vocabulário tradicional - XXX

por Helder Robalo, em 14.08.10

É algo desagradável ter uma casa que arrecende1. Por isso, o melhor mesmo é fazer umas limpezas profundas, ainda para mais no Verão, em que o calor potencia os maus cheiros. Usando muita augua2, preferencialmente.

 

1 - Arrecender significa cheirar mal.

2 - Água.

 

* Tendo como fonte a Revista Lusitana, depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de"Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:24

Vocabulário tradicional - XXIX

por Helder Robalo, em 08.08.10

Antigamente, pelas aldeias de Portugal costumavam aparecer os farrapeiros, homens que andavam pelas povoações recebendo trapos velhos e dando em troca, entre outras coisas, agulhas e linhas.

É claro que também existiam os futriqueiros, vendedores de objectos de pequeno valor, miudezas, dedais, agulhas, cordões e muitas outras coisas.

 

* Tendo como fonte a Revista Lusitana, depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de"Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

Vocabulário tradicional - XXVIII

por Helder Robalo, em 07.05.10

Para quem não sabe, e tendo em conta que a recolha efectuada por A. Alfredo Alves data dos finais do século XIX - o Volume II da Revista Lusitana data de 1890-92 -, por essa altura, na freguesia de Aldeia de Santa Margarida, e naturalmente em toda a região de Idanha-a-Nova e Penamacor, era habitual a população chamar barruma1 às verrugas que aparecem nas mãos e que, por vezes, tanto incomodam.

 

Também na revista que se encontra depositada no Instituto de Camões, e mais concretamente no capítulo de"Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida", é também explicado que a bochinca são pústulas pequenas, vesículas purulentas.

 

1 - Segundo nota do autor, o povo pronunciava barruma talvez por influência da palavra verruma.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:57

Vocabulário tradicional - XXVII

por Helder Robalo, em 24.04.10

Olhem que é bem verdade. Hoje em dia há por aí muito bajoujo1. Mas depois também há o benzilhão2. Não o confundam é com a bruxa3, que podem ter uma surpresa.

 

1 - Alguém pouco inteligente, ingénuo, quase imbecil.

2 - Homem entendido em feitiçarias e bruxedos, que receita remédios contra malefícios e mau-olhado, principalmente.

3 - Panela de barro com largos orifícios onde se queima o carvão para servir de braseiro.

 

* Tendo como fonte a Revista Lusitana, depositada no Instituto de Camões, e em referência no capítulo de "Notas sobre a linguagem de Aldeia de Santa Margarida".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:26


Mais sobre mim


Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida

http://www.jf-aldeiastamargarida.pt/

Hino de Aldeia de Santa Margarida


Calendário

Abril 2017

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30

Links

A nossa origem

  •  
  •  
  • O outro site

  •  
  •  
  • ASM nas redes sociais

  •  
  •  
  • ASM também aqui

  •  
  •  
  • Terras e sítios amigos

  •  
  •  
  • Notícias da Região


    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2007
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2006
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2005
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D





    Números Úteis

    Junta de Freguesia
    277 313 545

    Centro de Saúde
    277 313 293

    Paróquia
    277 937 200

    Liga dos Amigos de ASM
    277 107 416
    931 117 116 (João Camejo)

    Centro de Dia de ASM
    277 313 122

    Associação de Caçadores de ASM
    964 555 898 (José Francisco Prudente)

    Grupo de Cantares de ASM
    965 464 190 (Zélia Curto)
    277 313 545 (Tlf. da Junta de Freguesia)

    Os Tapori a Bombar - Grupo de Bombos de ASM
    919 820 154 (Samuel Pereira)
    964 148 017 (Ricardo Barroso)
    ostaporiabombar@gmail.com

    Pirotécnica Beirense
    277 313 478
    962 935 544

    GNR de Idanha-a-Nova
    277 202 128

    Bombeiros de Idanha-a-Nova
    277 202 456



    Ver Estatísticas