Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Usos e costumes IV - Cozer o pão

por Helder Robalo, em 04.11.11

O pão, todos sabemos, é um dos bens mais essenciais na vida do ser humano. Antigamente, quando nem todos tinham posses para comprar este bem tão importante, era usual construir-se um forno na propriedade para, depois, poder cozer pão para consumo próprio ou até mesmo para venda. Além do pão, o forno era também aproveitado para fazer doces.

Actualmente, já são poucos os que continuam a cozer o pão (em tempo de crise se calhar o número até vai aumentar, mas pronto). Na nossa Aldeia de Santa Margarida ainda há quem coza o pão e os doces. E houve uma pessoa que nos deixou acompanhar um pouco desse processo. A São Lagareiro - como é conhecida na aldeia - é uma vizinha muito simpática e sempre disponível para nos ajudar. Vai daí, este Verão, fomos acompanhar uma fornada. Aqui fica, em imagens, o resultado. Com um enorme bem haja à São.

Resta acrescentar que as fotos foram feitas pela Inês Robalo.

 

P.S. - Senhor Rui Reis, babe-se lá de saudades da mamã ;)

 

                

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:58

Arte e engenho do Ti António Cajado

por Helder Robalo, em 11.10.09

Aos 20 e tal anos, já nem se recorda bem como, António Cajado Martins começou a ser artesão enquanto guardava as ovelhas do patrão!

Começou esta arte quando andava pelos campos e não tinha muito que fazer. Pegava no material (cortiça, paus de esteva, paus de laranjeira, parafusos, ferros, cola, etc. ...) e, enquanto guardava o rebanho do patrão, ia metendo mãos à obra.

Levava a cortiça e o resto que precisava no seu carrinho de mão e quando se sentava era só dar asas à imaginação!

Já lá vão 50 anos e ainda continua a trabalhar nesta arte que poucos conhecem e menos ainda seguem.

Os trapeços (ou trepessos), pequenos bancos de cortiça tão famosos na região da Beira Baixa, fazem-se com cortiça e pregos! Cortam-se bocados de cortiça, depois compõem-se com a navalha até ficarem mais bonitos e, por fim, pregam-se uns aos outros com paus de esteva que se fazem passar por pregos, completando assim um pequeno banco.

As garrafas com bonecos no interior são um pouco mais complicadas de fazer e exigem uma paciência de santo. Primeiro arranjam-se pedaços de pau de laranjeira, depois faz-se uma espécie de cruz para o fundo da garrafa que vai ser o suporte do resto das peças. De seguida, com os paus de laranjeira, fazem-se os bonecos que se vão meter dentro da garrafa, peça por peça. Por fim, com todo o tipo de arames e ferros, vão-se encaixando dentro da garrafa com cola.

 

Por Ana Leal (neta do nosso querido Ti'António Cajado)

 

 

A arte e o engenho do Ti'António Cajado pode ser admirada nas fotografias, enviadas pela Ana, que abaixo deixamos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:03

Usos e costumes III - Figos secos

por Helder Robalo, em 08.09.09

 

 

 

 

Outro dos usos e costumes que muitas pessoas ainda vão mantendo na nossa aldeia, e a Ti Isabel Barroso São Lagareiro é uma delas, é o de secar os figos ao sol. Estes que aqui vêem, numa fotografia cedida pela Inês Robalo, já estiveram na passadeira ao sol.

 

Antigamente os figos eram colocados numa passadeira feita de palhas e ervas. Agora há sempre quem vá inovando. Mas que continuam deliciosos, lá isso continuam.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:12

Usos e costumes II - O arroz doce

por Helder Robalo, em 07.09.09

Também saboroso, e tradicional, é a confecção do arroz doce na nossa freguesia. Aqui, em fotografias novamente cedidas pela Inês Robalo, temos a São Lagareiro a cozinhar e a enfeitar, como mandam as regras, as travessas de arroz doce com lindas flores, e não só, desenhadas com canela.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:28

Usos e costumes I - O feijão frade

por Helder Robalo, em 07.09.09

Na nossa aldeia, como em muitas outras do País, ainda se mantém alguns usos mais antigos, que se foram perdendo com a industrialização do Sector Primário.

 

Um dos exemplos é aqui deixado, através de algumas fotografias da Ti Isabel Barroso (gentilmente cedidas pela Inês Robalo), que vai cuidadosamente separando o feijão frade estragado ou com bicho daquele que está são.

 

Isto já depois de separar o feijão das vagens secas, algo que pode ser feito utilizando uma energia natural: o vento. Infelizmente disso não temos imagens, mas deixamos aqui estas para que possa apreciar a arte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:06


Mais sobre mim


Junta de Freguesia de Aldeia de Santa Margarida

http://www.jf-aldeiastamargarida.pt/

Hino de Aldeia de Santa Margarida


Calendário

Maio 2018

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Pesquisar

  Pesquisar no Blog





Números Úteis

Junta de Freguesia
277 313 545

Centro de Saúde
277 313 293

Paróquia
277 937 200

Liga dos Amigos de ASM
277 107 416
931 117 116 (João Camejo)

Centro de Dia de ASM
277 313 122

Associação de Caçadores de ASM
964 555 898 (José Francisco Prudente)

Grupo de Cantares de ASM
965 464 190 (Zélia Curto)
277 313 545 (Tlf. da Junta de Freguesia)

Os Tapori a Bombar - Grupo de Bombos de ASM
919 820 154 (Samuel Pereira)
964 148 017 (Ricardo Barroso)
ostaporiabombar@gmail.com

Pirotécnica Beirense
277 313 478
962 935 544

GNR de Idanha-a-Nova
277 202 128

Bombeiros de Idanha-a-Nova
277 202 456



Ver Estatísticas